"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

POETA-POEMA, 40: GREGORY CORSO

Summer interior (1909), de Edward Hopper.
| Expor um poeta, defini-lo com um só poema.
Despertar com ambos alguma consciência. |

SUICÍDIO NO GREENWICH VILLAGE

Braços distendidos
as mãos espalmadas contra a armação da janela
Olha para a rua 
Pensa em Bartok, em Van Gogh
Em cartuns na New Yorker
Ela cai

Eles a levam embora com o Daily News cobrindo o rosto
E o dono de armazém atira água quente pela calçada

GREGORY CORSO (1930-2001). Poeta estadunidense. Foi um dos capitães da lírica do movimento beat e é, possivelmente, um de seus poetas mais criativos, em especial quando se detém a olhar, poeticamente, a realidade urbana, como no poema acima, inserido em Gasolina & Lady Vestal (L&PM, 1985), com tradução de Ciro Barroso.

Um comentário:

Alessandra Lima disse...

Este poema de Gregory Corso e a tela de Hopper tão próximos...