"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

quinta-feira, 2 de março de 2017

50 ANOS!

Andréia Gallo (1967-2015), com Julinha.
Hoje, dois de março, se viva, Andréia Gallo completaria 50 anos! Talvez a pessoa mais inteligente que conheci, ela era, no entanto, e sem nenhum paradoxo, generosa e muito discreta. Uma alma boa, delicada, que por 24 anos ininterruptos dividiu-se comigo e, sem nem mesmo uma única palavra ríspida ao longo de todo esse período, me ensinou que a grandeza está em ser pouco ou mesmo nada, em ser contido e moderado, se não anônimo. Ela viveu assim, e assim partiu. Jovem, e creio que irrealizada, mas ainda assim completa. Sábia.

Ela amava as estrelas, os planetas, as galáxias. À noite, com frequência, buscava no céu estes seres perdidos para os quais nós, indivíduos comuns, viramos as costas com desdém. Não raro, ao acordar, me dizia que sonhara que estava voando. Ano passado, li num livro que sonhar que se está voando é mau presságio, sinal de morte, de um trágico fim para a pessoa que sonha ou para um ente querido, bem próximo. E não foram poucas as vezes em que Andréia me contou sonhos de profundos mergulhos no céu. Mergulhos que ela lamentava não ser de verdade, impulsionada que se sentia pelas asas vorazes de seus sonhos.

Onde estará ela agora? No céu? Talvez. Ou, melhor dizendo, seguramente no céu. Mas não neste céu banal e enganoso em que os religiosos depositam todas as suas fichas. No céu propriamente. Físico. O céu com o qual ela tanto sonhara. O céu de mistérios, luzes, cores, abismos e, por certo, seres melhores do que nós. Num de seus versos preferidos, de autoria de Murilo Mendes, o poeta diz: "Quase que só há estrelas". Mais nada, coisa alguma, pois tudo o mais é êfemero e pouco reverbera. Os astros e as estrelas não. Estão lá! Brilham, voam e a ninguém incomodam. Por isso mesmo se projetam para além de si mesmos e de todos nós.

Sim, quase que só há estrelas. E nada mais.

11 comentários:

Anderson Galo disse...

Que bonito Tio! Ela era assim mesmo, inteligente e discreta, uma pessoa ímpar, que nos faz uma falta tremenda...

Unknown disse...

Linda homenagem! Saudade!

Patrícia Borges disse...

Belíssima homenagem! Saudade!

Rafael Rodrigues disse...

Bonita homenagem, Mayrant. Grande abraço.

aeronauta disse...

Texto bonito demais, Mayrant! Chorei ao lê-lo. A ida precoce de Andreia é uma de minhas perplexidades contínuas diante da vida. Abraços para você e para ela, numa saudade imensa e dolorida.

Tito Pereira disse...

Lindo mestre! Só nos resta a saudade e a clareza dos bons momentos!

Unknown disse...

Obrigado por esse texto. Obrigado por voltar a escrever aqui.

Muadiê Maria disse...

Um abraço, Mayrant.

Idmar Boaventura disse...

A maioria de nós só desaparece, pois não é todo mundo que pode virar estrela. Só pessoas especiais como a Andréia. Um abraço, amigo.

Marcela Soares disse...

Texto lindo, Mayrant, com a leveza e a doçura características de Andréia. Forte abraço!!!

Paula Simões disse...

Bonita homenagem Mayrant.Abraço.