"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

JOGO DA VERDADE

Todas as fotografias familiares são falsas. Jamais dizem a verdade. Passamos a vida nos esforçando em parecer verdadeiros e, no entanto, só o conseguimos quando, durante as fotografias em família, nos resignamos em ser falsos...


Pintura: Quarto em Nova Iorque (1932), de Edward Hopper (1882-1967).

3 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

Ó lá a contundência aqui também.
Andasses lendo a Clarice????
Acho que sempre, em foto de família, em reunião de família não somos nós.
Somos alguma coisa que fomos sem querer ser...
As vezes por deveras engraçado.
Abraços
Marie

ediney disse...

fala são as vidas , nossas vidas de pimenta sem arder , vida para a mentira de nunca sermos

Anônimo disse...

No fim, não há vítimas ou algozes. Apenas seres descontínuos que se realizam nos seus ambientes "efetivos". Estamos todos presos. Aquele abraço. T