"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

MIMI ASNO

Duas asneiras ditas por M. A., contista: 1) sou um profissional da diversão; 2) não, a literatura não transforma ninguém, isso é mito. Pois bem, pondo os pingos nos is, diríamos que a verdadeira literatura não é diversão, porque não distrai: concentra; e, se não transformasse ninguém, ele próprio, M. A., não seria escritor. Nosso autor se esquece – se é que soube disso algum dia – de que a literatura, como toda e qualquer arte, reúne prazer e conhecimento, forças transformadoras por excelência. Nesse sentido, é como sexo. A primeira leitura de José, de Drummond, é como o dia seguinte a uma fervorosa noite de amor. A de São Bernardo, de Graciliano, ou de Dom Casmurro, de Machado de Assis, representa uma lua-de-mel inteira – ao lado de alguém que compense, é claro. Já a leitura de Guerra e paz, de Tolstói, bem, esta engloba muitas noites, muitas luas, ano após ano, até a impotência. Ou o fim.

5 comentários:

Anônimo disse...

Mayrant, meu amigo, paradoxalmente M.A tem sido alvo de minhas atenções, especialmente relacionado aos estudos de um certo filme. Mas paciência. A boa literatura naturalmente refuta asneiras dessa espécie. No mais, belíssima edição de Dom Casmurro. Espero ainda nesta vida gozar da companhia de Tolstói. Aquele abraço. T

Lidi disse...

O infeliz que disse que a literatura é apenas diversão e não transforma ninguém é um verdadeiro asno. No entanto, Machado de Assis (para citar apenas um exemplo) refuta asneiras como essas. A obra machadiana "reúne prazer e conhecimento, forças transformadoras por excelência". Não há dúvida! Abraço, Mayrant.

Emmanuel Mirdad disse...

Tenho muito orgulho de você. Quero muito o seu bem e de sua família em 2009. Apenas um recado sincero, de quem precisa muito que você continue existindo e produzindo genialidades em pílulas. Confesso o meu consumo faminto de tudo que você expõe em parto bruto. Obrigado, meu amigo! Continue, sempre, desde aqui, até onde der.

Katia Borges disse...

Mayrant, passei pra desejar um 2009 de paz, com saúde e muita literatura que transforma. Ou não. Beijos

Bárbara disse...

A verdadeira literatura,realmente,nos leva ao deleite.
Um abraço e Feliz 2009,Mayrant!