"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

DE LIVROS E LIXO

Mimi Asno ofereceu a Victor Vhil um exemplar de seu novo livro de contos. Mal ele deixou o café, onde os dois saborearam em silêncio uma fumegante xícara de cappuccino, Victor Vhil foi até a rua e atirou o livro na lata de lixo. Mais tarde, e sob uma fria chuva de outono, voltou para apanhá-lo. Não queria ser responsável por sujar o lixo.
Miniconto do livro Nem mesmo os passarinhos tristes. Foto: Chat des rues, de Sabine Weiss, para a Agence Top.

4 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

Cruel, mas muito bom.
Adorei a foto.
Bisous
Marie

Anônimo disse...

Deus meu! (parafraseando o mestre). Aquele abraço. T

Carlos Barbosa disse...

Mayrant, sugiro uma pequena alteração no apelido do contista: Mimi Asinino. Assim, a referência fica mais clara, não? Um bom ano, abr. (carlos)

Anônimo disse...

Belo miniconto, Mayrant. Conseguiu arrancar de mim aquele sorriso no canto da boca. Será efeito da ironia? rs!
Um abraço.