"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

AUTO-AJUDA

Aos que me dizem que olhe o horizonte respondo que olho o horizonte e não vejo senão o horizonte.

Foto: Baía de Todos os Santos, por Mônica Menezes.

6 comentários:

M. disse...

E o horizonte é lindo, né? Assim mesmo, sem qualquer metafísica.
Sempre bom demais visitá-lo. Abraço. M.

Flamarion Silva disse...

Para que serve olhar o horizonte?
Ele parece tão distante, inalcancável. Será que lá tem pão, uma roupa decente, um campo para trabalhar? Eu não gosto do Horizonte, prefiro o que me está defronte (só para rimar).
Abraço, Mayrant.

Anônimo disse...

Não seguir, não pedir. A melhor "auto-ajuda" é aquela que não ajuda. Para calar a boca. Aquele abraço. T. P.S: Congratulações a Mônica. Uma foto de raros adjetivos.

Silvestre Gavinha disse...

"E isso é uma superioridade a certos momentos de visão".
Hoje, meu horizonte está coberto de névoa, que na verdade encobre meus olhos, por terem que olhar a traição mesquinha de seres que tentam se erguer da sordidez em que vivem usando nossas pernas e braços como pilares a rastejar.
Nem auto ajuda ajuda.
Abraço
Marie

humberto disse...

Horizonte também pode ser bom de olhar. Prá fumar um baseado, por exemplo. Abraço Mayrant

Georgio Rios disse...

Ai eu acho que por vezes so enchergo em preto e branco.tentando enchergar o indefinido horizonte...