"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

AS AVENTURAS DE NICOLAU E RICARDO, DETETIVES

1. Desperdício

O crime aconteceu ao anoitecer, na garagem de um imponente edifício da Graça. Nicolau e Ricardo acorreram imediatamente, mal a polícia recebeu o chamado. Pegaram o corpo ainda morno. Uma mulher, jovem, bonita, só com a peça superior do biquíni. Voltava da praia. Entre os seios, dois buracos vermelhos. O assassino avançara o carro contra o portão da garagem e fugira.
Ricardo ficou olhando a pele branca e macia. Depois parou um dos policiais que transitavam pela garagem e perguntou, sério:
“Sabe se houve estupro?”
“Parece que não”, respondeu o outro, sem hesitar.
“Que desperdício!”
“É...”
E os dois ficaram ali, com os olhos cravados na mulher, sonhando.


Continua amanhã. Seriado incluso no livro Nem mesmo os passarinhos tristes.
Imagem: cartaz americano do filme O homem que amava as mulheres (1977), de François Truffaut.

6 comentários:

Renata Belmonte disse...

Ricardo(meu irmão) acabou de ler este texto e disse que é seu fã.

Anônimo disse...

"E os dois ficaram ali, com os olhos cravados na mulher, sonhando". E nós também. Aquele abraço. T

Georgio Rios disse...

Bom ver os Bons detetives na ativa!!!Sendo eles e cada um de nós, leitores

humbertom disse...

Porra Mayrant, desenvolva sua veia noir, cara. Você é brilhante neste gênero.

Emmanuel Mirdad disse...

Peço licença para me expressar: fodástico!

Anônimo disse...

Mayrant,
Texto sarcástico esse seu, não? Dou nota... 09. Só não dou 10 para não ficar mal-acostumado, mas gostei...
assinado,
E.T