"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

MINICONTOS REAIS, 1: MÃE-PÁSSARO

Depois de um incêndio florestal no Parque Nacional de Yellowstone, Wyoming, EUA, guardas florestais começaram a sua caminhada até a montanha, para avaliar os danos causados à fauna e à flora. Um deles encontrou um pássaro literalmente petrificado pelas cinzas, no chão, ao pé de uma árvore. Abalado com a cena trágica, o guarda tocou delicadamente o pássaro com uma vara, e três filhotes minúsculos correram de sob as asas de sua mãe morta. A mãe, amorosa e protetora, convicta do desastre iminente, tinha levado seus filhos para a base da árvore, reunindo-os sob suas asas. Por instinto, sabia que a fumaça tóxica subiria. Ela poderia ter voado para a sua própria segurança, mas se recusou a abandonar seus bebês. Em seguida, quando o incêndio chegou, o calor queimou seu corpo, mas ela permaneceu firme, permitindo-se morrer por aqueles que, sob a proteção de suas asas, viveriam.

7 comentários:

Lidi disse...

Triste e muito bonito, Mayrant. A minha sobrinha mais velha é louca por animais; eu li para ela, que se emocionou. Abraço.

Marcela Soares disse...

Tô aqui contendo as lágrimas. Muito lindo!

Ribeiro Pedreira disse...

eis o verdadeiro instinto materno. zelar...

Nabel Braz disse...

Mãe é mãe!

bjos de luz

Lidi disse...

Mayrant, os livros chegaram. Obrigada pelo presente. Adoro o melancólico Chandler e o detetive Marlowe. Você é uma raridade de amigo. Feliz Natal. Abraço.

aeronauta disse...

Mayrant, deixo aqui para você e Andréia meu abraço de ano novo: que Deus e os deuses concedam a vocês só fluidos positivos, energia de amor e tranquilidade. Grande abraço.

Claudio Moraleida disse...

Ola Mayrant! Aqui eh o Claudio, de BH, amigo do André que te ligou naquela fatidica noite.

Mas tambem eh aquele Claudio que quando tinha 11, 12 anos ia a feira de selos no Correio da Pituba e ficava maravilhado com as fitinhas cassetes que um amigo gravava pra ele contendo o fino do rock n roll e, mais do que isso, um ensinamento e uma generosidade que vão durar pra vida toda ! E que, quando guri ainda, mudou-se para Belo Horizonte, recebia cartas desse mesmo amigo contando do que andava escutando, e que continham preciosas citações de Drummond ou Bandeira por fora dos envelopes.

Estou escrevendo somente pra te agradecer, ja que depois de mais de 20 anos, ainda nao tive essa oportunidade... Vc foi um amigo e tanto pr'aquele guri...

PS Ainda tenho um vinil do Supertramp que comprei junto com vc num sebo em Salvador.

É bem possível que vc realmente nao se lembre dessas coisas e desses detalhes, mas vale o que ficou !

Um dia ainda te encontro pra te dar um abraço. Obrigado !

claudiomoraleida@hotmail.com