"Eu respirava naquelas salas, como um incenso, esse cheiro de velha biblioteca que vale todos os perfumes do mundo." Antoine de Saint-Exupéry

terça-feira, 2 de junho de 2009

ENCONTRO MARCADO

INSTANTE

Um burro debaixo de uma árvore.
Um menino chorando, outro menino sonhando.
Uma mãe pra cima e pra baixo e um homem na cama.

A terra
O tempo
A vida escorrendo.

OUTONO

Melancólicas,
as árvores fitam suas folhas no chão!

AZUL

O olho azul do gato
mar que anda pela casa.

LÚCIA SANTÓRI-CARNEIRO é poetisa quase bissexta: publicou Peixe (1980) e As voltas do tempo (2008). O autor do comentário mais criativo e sincero posto aqui será premiado com um exemplar de As voltas do tempo, autografado pela autora.

12 comentários:

Georgio Rios disse...

pra inicio de conversa, quero ganhar o livro, pois gosto de poesia e tenho curiosidade de ler o que escreve a Lúcia.E mais ainda por que a seleta que figura no blog deixa quem lê com gosto de preciso ler mais.Pílulas que energizam.E seu telurismo embriaga.Parabéns a Lúcia e ao Mayrant por nos presentear com estes lindos versos de infnacia e poesia.

Lidi disse...

OUTONO

Melancólicas,
as árvores fitam suas folhas no chão!

Gostaria de ter escrito este poema!

Sebo Bandini disse...

Já tenho o livro de Lucinha, mas gostaria de deixar um comentário sobre ela. Sempre que a vejo, sinto o cheiro de tangerina do conto que ela escreveu. Kátia Borges

Renata Belmonte disse...

Lúcia é uma querida! Merece toda essa homenagem!
Abraços,
Renata

Hitch disse...

Da Lúcia, alimento a saudade do que escrevi e nunca escreverei. Cada verso é um mantra. Aquele abraço.

Soteropolis disse...

Olá Mayrant,

Trabalho na Produção do programa Soterópolis. Gostaria de conversar sobre seu blog. Você pode entrar em contato pelo e-mail soteropolis@gmail.com

Abraços,

Rafael Veloso

wilson gorj disse...

Poemas de um INSTANTE. Ternos como o OUTONO. Profundos como o MAR.

wilson gorj disse...

Poemas de um INSTANTE. Ternos como o OUTONO. Profundos como o mar AZUL.

Ianice disse...

Ler os poemas da Lúcia é nos vermos nos tempos da infância...é estar neles! Belos!

Eliana Mara Chiossi disse...

No livro de Lucia toda palavra diz saudade e toda a saudade mora na infância.

Tropicórnios disse...

Não há palavras que definam precisamente As voltas do tempo. Tal como as formas que preenchem o livro, os encantos que rodeiam suas páginas, o lírico que passeia em nossas mentes.

Mayrant Gallo disse...

AVISO: a poetisa apreciou todos os comentários, mas especialmente o 2 e o 5. Portanto, estes foram premiados com um exemplar de "As voltas do tempo".